Asas de Papel

Tem um ditado famoso que diz que com o tempo, o feitiço vira contra o feiticeiro.

No meu caso, o “feitiço” virou à favor da feiticeira!

E de que feitiço estamos falando?

De Poesia!

Sim, poesia. É feitiço que transforma dores em cores. É feitiço que transforma momentos em sentimentos. É uma alquimia de cura, profunda transformação. Poesia é um gesto de amor. É arte, é beleza. É vida.

Desde criança, sou apaixonada por poesias. Especialmente, por criar poesias. Escrevo poesias para dar um sentido à tudo que me acontece. São poesias terapêuticas.

Também escrevo poesias para as pessoas. É um gesto de carinho.

Na poesia, sinto que posso ser plenamente eu mesma, e assim, expresso meu afeto.

Quem me conhece, sabe que a escrita faz parte da minha vida, da minha história.

Com o blog Caderno da Gabi, o e-book Caderno do Eu, o curso Escreva-se e o Poetizando a Vida, entre outros projetos, busco inspirar uma escrita criativa, terapêutica e autêntica.

A escrita é um belo caminho criativo de autoconhecimento e autotransformação.

E qual foi a minha surpresa, quando em uma ensolarada manhã de setembro, abro meus e-mails, e eis que me chama atenção o título: Oi, Gabi. Fiz uma poesia para você.

Abri correndo, feito criança, desembrulhando um grande presente no Natal.

De fato, foi um presente. Presente poético, de alma para alma.

Fiquei emocionada, honrada, encantada, profundamente agradecida.

Com alegria, compartilho com vocês este presente, feito à mão e coração.

.

.

.

(...) que bom que você se mostrou ao mundo, que você se mostrou a nós!

Gabi, fiz uma poesia pra você!

 

ASAS DE PAPEL

 

"Às vezes na vida a gente conhece anjos

Não como aqueles que moram no céu

Às vezes na vida a gente conhece anjos

Que tem suas asas de papel

 

Cada asa tem várias linhas em branco

Que nos convidam a escrever

Podemos ver poesia em cada canto

Todas lindas de viver

 

Tem borboletas pregadas em sua asa

Um lápis, um caderno

Uma letra de mão

Um sorriso, uma leveza

Que encanta o coração

 

Eu diria que este anjo tem asas cor de rosa

Feitas de papel crepom

Que nos convidam a voar para um mundo novo

Interno, tantas vezes desconhecido

Só quem conhece, entende o quanto é bom

 

Um anjo que me convidou

A me escrever

A me entender

A me re-escrever

E a me reerguer

 

Com caneta e papel na mão

Só então eu consegui

Dar caminhos e vazão

Para os sentimentos que senti

 

Antes sufocados, calados

Confusos, desorganizados

Doídos, sofridos

Hoje, fluidos

Ativos, criativos

Jóias raras que jamais pensei criar

Talvez hoje as pessoas conheçam minha dor

Pelo ato de rimar

 

E da dor faço poesia

Da tristeza transformo em alegria

Uma linda melodia

A partir daquele dia

Que esse anjo me tocou

Com seu cheiro suave

Com palavras de amor"

 

Grace B.Benato

(...) Comecei a escrever poesias a partir de uma aula sua que você deu no curso do Bruno. (...) Esta poesia eu fiz pensando em você, naquela sua aula, no seu jeito, nas cores do seu site, da sua logomarca, da borboletinha, do lápis, enfim...só tenho a te agradecer por ter despertado esse dom em mim, e através dele eu consegui transformar minha dor em algo bom.

Grace Baticioto Benato é psicóloga, e tem um projeto lindo, Renascendo do Luto.

Deixo o contato dela aqui embaixo. 

gracebbenato@gmail.com
www.facebook.com/renascendodoluto
Grace, gratidão, por este lindo presente! Eu vou guardar no meu coração, para sempre!

Com carinho,

Gabi

Tem algo a dizer? Deixe seu comentário