Navegando "Autoconhecimento"

Qual a diferença entre conhecimento e sabedoria?

3-2

Muitos já escreveram sobre vários assuntos. Tantos sábios autores nos deixaram legados de conhecimentos, de sabedoria. A abundância de informações permite que possamos pesquisar sobre qualquer assunto. Mas… Qual é o nosso desafio diante do vasto conhecimento disponível?

Na minha época da escola, pesquisava nos livros, nas enciclopédias, como a Barsa, para fazer as atividades escolares. Lembro-me de vários trabalhos escritos a mão, e de como eu gostava não apenas de pesquisar, mas criar a partir do que eu descobria.

Com o advento da internet, o ‘ctrl c’ e o ‘ctrl v’ marcam uma nova era, que muitas vezes carece de criatividade, pois “parece mais fácil” copiar o que já existe. O conhecimento sequer é digerido, internalizado… Ele simplesmente passa por nós. O Google tornou-se o mestre que tudo responde… Sempre podemos recorrer a ele…

Mas antes é preciso fazer a pergunta.

As respostas já existem, mas precisamos saber (bem) perguntá-las. Tudo poderá ser-nos dado, mas antes, precisamos pedir.

A resposta pode vir pela internet, por um livro, amigo, filme, outdoor, palestra, curso… ou… vir de dentro, da alma, do coração, do silêncio que tudo sabe, tudo diz: basta ouvir.

Então eu me questiono: Com essa abundância de informações, como podemos transformar o conhecimento em sabedoria? Conhecer não basta, sinto que precisamos VIVER o que conhecemos. Internalizar a informação, digeri-la, transforma-la criativamente e devolve-la para o mundo como uma contribuição única, autêntica.

Vejo que hoje o grande desafio não é saber, mas sim SABER FAZER. Informações todos podem ter, basta buscar.

Ideias podem brotar naturalmente… Mas a grande diferença será daquele que colocar em prática seus sonhos, ideias e ideais.

É preciso plantar a semente da sabedoria, vivê-la, vivenciá-la intensamente crescendo dentro de si e florescendo para o mundo.

Vamos ser o exemplo do que acreditamos. Vamos inspirar a informação, respirar o conhecimento, expirar a sabedoria. Vamos plantar aquilo que esperamos colher.

O que você está esperando para plantar os seus sonhos, e colher realizações?

O conhecimento é como uma faca, que pode te trazer certo poder. Você pode usar a faca para passar manteiga no pão, ou ferir alguém. O conhecimento pode levar à cura de doenças, ou a bomba atômica. O conhecimento traz poder, mas precisa ser bem utilizado, em prol do bem comum.

Já a sabedoria é virtude. Ser sábio é mais do que ter informações, é internalizar e viver o saber. É transpirar o conhecimento com naturalidade e bondade. É SER sábio, ser o exemplo. Encantar pelo seu jeito de ser e saber fazer. É ensinar com a simplicidade das atitudes e pequenos gestos, que fazem a diferença. O sábio nem sempre faz uso das palavras. Muitas vezes, seu silêncio diz muito. A mensagem sábia pode ser verbal ou não verbal, uma imagem sábia pode dizer muito, sem falar nada.

Eu percebo a extrema importância de fazermos uma ponte entre o cérebro e o coração, entre a razão e a emoção, entre a ciência e a espiritualidade. Muitas pessoas tem o conhecimento, mas não vivem a sabedoria, tantos têm a teoria, mas não vivem a prática, e tem aqueles que pregam uma doutrina, mas não a vivem.

Meu convite é que possamos nos observar, nos questionar se estamos REALMENTE vivendo o que acreditamos. Se nós estamos ensinando através do nosso exemplo, ou dizendo: ‘faça o que eu digo, e não o que eu faço’.

Que possamos VIVER a sabedoria, que possamos SER o que sonhamos para nós, que possamos INSPIRAR através do nosso exemplo.

E então, como você pode viver e expressar a sua sabedoria HOJE?

Conte para mim, vou adorar saber!!!

Gabriele de Oliveira Ribas

Psicoterapeuta e Coach

Mestre em Saúde

Especialista em Psicologia Transpessoal e Arteterapeuta

Quais são as três coisas mais importantes da sua vida?

 

Quais são as três coisas mais importantes da sua vida?

Foi esta a pergunta que o taxista me fez, após eu indicar o endereço desejado.

Fiquei surpresa com seu questionamento, ele parecia curioso para saber o que eu ia responder.

Pensei em mil coisas, na hora eu disse: Minha família, meu trabalho e minha espiritualidade.

Resposta errada, disse ele!

Como assim? Pensei… Como ele pode dizer que está errado? Achei estranho no primeiro momento, mas vamos lá, deve ter algum motivo, então perguntei: Qual seria a resposta certa?

As três coisas mais importantes da sua vida são: ar, água e alimento – retrucou, enfaticamente – Pensa bem, você não pode ficar mais que alguns segundos sem respirar. E sem água e comida, poucos dias seriam fatais.

Ele trouxe toda uma reflexão repleta de amor pela Terra, enfatizando o quanto precisamos cuidar das árvores, da terra, da água, do ar, de toda natureza, do planeta:

As pessoas não se dão conta que precisamos disto para sobreviver. Moramos sob o mesmo céu, andamos pela mesma terra, compartilhamos os mesmos alimentos, e respiramos o mesmo ar. Essa é a nossa sobrevivência. Precisamos cuidar da nossa Casa, da nossa Terra, do nosso Lar: o nosso amado Planeta. 

Fiquei surpresa, pensativa e reflexiva. Afirmei: É verdade, você está certo! Obrigada por me trazer essa reflexão.

Ele me contou que faz essa pergunta a todos os passageiros, que era a sua forma de trazer essa problemática para as pessoas.

Agora eu pergunto:

Além da  sobrevivência, que valores norteiam a sua existência?

O que realmente importa na sua vida?  O que você mais valoriza?

Além do ar, água e alimento, o que você mais precisa para bem viver? 

A viagem de carro passou voando,  e quando ele me deixou em casa, ainda disse:

Você me ajuda a cuidar do planeta? – Perguntou, animado!

Ajudo sim, eu falei. E passarei as perguntas adiante!

É o que estou fazendo!

Gabriele Ribas

Ele e ela

Ele e ela

Ele é homem, ela é mulher.
Ele é yang, ela é yin
Ele é sol, ela é lua.
Ele é o calor que aquece no frio.
Ela é o frio que suaviza o calor.
Ele é força, ela é suavidade.
Ele é sabedoria, ela é imaginação.
Ele é inteligência, ela é sensibilidade.
Ele é terra, ela é mar
Ele é fogo, ela é ar.
Ele é razão, ela é emoção.
Ele é organização, ela é espontaneidade.
Ele é música, ela é dança.
Ele é som, ela é silêncio
Ele é o sonho dela… Ela é o despertar dele…
Ele e ela… Não são duas metades… São dois inteiros… São parceiros…
Não são opostos… São complementares!
E assim é.

Gabriele Ribas

Ilustração: Cintia Freitas
https://www.facebook.com/estudiocintiafreitas/?fref=ts

A pequena sereia – a história original dos contos de fadas

Estátua da Pequena Sereia, Kopenhagen, 2016.

Hoje estou na terra de um grande escritor: Hans Christian Andersen, que nasceu no dia 2 de Abril de 1805, na Dinamarca. Você sabia que no dia do seu aniversário é comemorado, em sua homenagem, o dia internacional do livro infantil? Ele é autor de vários contos de fadas, por exemplo: O patinho feio, O soldadinho de chumbo, A princesa e a ervilha, A polegarzinha, A roupa nova do imperador e a Pequena sereia.
Hans Christian Andersen, com 30 anos de idade, escreveu o seu primeiro conto de fadas. Ele tornou-se um dos escritores mais populares da literatura infantil na Europa.
Faleceu em 6 de agosto de 1875, em Kopenhagen. Um dos símbolos da cidade é a pequena sereia, a qual ganhou uma estátua que é dos principais pontos turísticos da bela cidade dinamarquesa.
foto

Confesso que para mim foi uma surpresa assombrosa descobrir que o doce conto da Pequena Sereia, que conheci quando criança, nos filmes da Disney, é bem diferente do original.

Em ambos a sereia apaixona-se pelo príncipe e deseja tornar-se humana. Ela pede à bruxa do mar uma poção para isto.
Contudo, no conto original, a pequena sofre uma dolorosa decepção amorosa, pois o príncipe se casa com outra mulher. 🙁 Para voltar a ser sereia, ela teria que matar o príncipe, diz a bruxa. 🙁 Mas a jovem se recusa a isso, preferindo ela mesma, morrer. 🙁

Quem quiser mais detalhes, pode pesquisar o conto original da pequena sereia de Hans Christian Andersen.

Apesar de eu ter achado uma história muito triste, dolorosa e sofrida, encontrei uma luz no fim do túnel do conto. Incansável otimista que sou, pensei assim: Sinto muito por tanto que a sereia sofreu, mas ao menos ela tornou-se humana, e assim, com a sua morte, ganhou uma alma imortal. Se continuasse sereia, sua morte significaria tornar-se espuma do mar (conforme contou a avó da pequena sereia).

A pequena era mais do que uma sereia, ela conheceu as dores e encantos de ser humana, e por isso, ganhou uma alma.
Ter uma alma imortal tem o seu valor, não é mesmo?

Embora eu tenha ficado “incomodada” com o conto original, acredito que foi terapêutico fazer uma releitura pessoal do conto. Talvez essa seja uma das grandes mágicas dos contos de fadas. Eles recebem uma nova nuance de acordo com o nosso olhar. Podemos olhá-los de vários ângulos, e no final das contas, o que realmente vemos, é o reflexo da nossa luz e da nossa sombra, em suma, da nossa humanidade.

E agora... Para acalmar o meu coração que ficou angustiado com a decepção da sereiazinha, convidei uma contribuição especial da minha amiga, a psicóloga Juliana Ruda, que é especialista em Psicologia Junguiana e autoridade no assunto contos de fadas. Fiz algumas perguntas para ela, e você confere as respostas abaixo:

Ju, por que os contos de fadas originais são muitas vezes tão “assustadores” e parecem muito mais contos de adultos do que de crianças?

R: Olá Gabi e leitores do Caderno da Gabi! Os Contos de Fadas retratam o que chamamos de zeitgeist da época, ou como é conhecido também, espírito do tempo. Isso quer dizer que eles se constroem no tempo e de acordo com o que é mais presente em dada época. Na sua origem, quando os contos começaram a ser compartilhados durante o trabalho agrícola e/ou em volta da fogueira, não havia a fase da vida que hoje conhecemos por infância. As crianças estavam incluídas no ambiente adulto, por isso a impressão dos contos serem mais adultos, porque, de fato, eram. Naquele período temas como canibalismo, morte, estupro, incesto, inveja, fome, eram comuns. Embora hoje em dia continuemos a ter essas temáticas em nosso dia a dia seja em menor ou maior intensidade, os contos estão abrindo espaço para novos horizontes, por exemplo, as personagens femininas têm ganhado cada vez mais força, isso porque, o zeitgeist da época é esse. É importante, ainda, termos em mente que os contos de fadas são culturais e transitam no tempo, podemos conhecer uma versão de um conto, mas em outro país encontrarmos uma versão diferente, contudo, a essência do enredo permanece a mesma.

Qual a importância dos contos de fadas para o desenvolvimento humano?

R: Eu diria que é importantíssima! Nossa vida é tecida através das histórias, nós somos histórias, nos somos contos de fadas! Talvez isso pode parecer estranho em um primeiro momento. Até porque, infelizmente, passamos a compreender os contos de fadas como histórias imaginárias e “fora da realidade”, quando não é bem assim. Pelo olhar da Psicologia Junguiana os contos espelham a psique humana, isto é, eles são o nosso próprio reflexo. Encontramos nos contos temas universais que vivenciamos no decorrer do nosso conto da vida, como: amor, medo, bem x mal, ansiedade, relacionamentos, nascimento, morte, entre outros. Ao ler um conto de fadas, uma pessoa, independente da idade, seja ela criança ou adulta, será tocada de alguma forma pelas linhas mágicas dessas histórias, se identificará com esse ou aquele personagem e assim por diante. Podemos ter um conto que nos acompanhará por toda a nossa vida ou ter vários contos que conversarão conosco no decorrer dela. Os contos de fadas são repletos de imagens e as imagens despertam emoções em nós e é por meio das emoções que nos conhecemos melhor e nos desenvolvemos como seres humanos.

Que elementos simbólicos podemos encontrar no conto da pequena sereia?

R: O conto da Pequena Sereia é repleto de simbolismos! Poderíamos ficar um longo tempo aqui dialogando sobre eles. Ao analisar um conto é interessante nos atermos aos personagens e as temáticas ali presentes, por exemplo. Encontramos nesse conto a Sereia, suas irmãs, a bruxa do mar, o príncipe, a mulher com quem ele se casa e até mesmo o mar pode ser considerado um personagem. De tema, o que se sobressai, em um primeiro momento, é o almejar, desejar, aquilo que queríamos ter, mas não podemos até então. É muito comum nos contos de fadas o herói ou a heroína passar por provas e desafios, tendo que se sacrificar. E vemos isso na Pequena Sereia, ela conquistou aquilo que desejava, mas com um preço. E não nos deparamos com situações assim na nossa vida? Ao escolher um caminho, estamos, consciente ou inconscientemente, deixando outro de lado. A Sereia foi corajosa e determinada, atingindo seu objetivo: tornar-se humana. Ao vivenciar isso, nem tudo foi o que ela imaginava, o véu da ilusão caiu, e o príncipe preferiu outra. Mas, apesar disso, ela escolheu sacrificar a si mesma do que sacrificá-lo. Uma atitude muito bonita para uns, já, para outros, pode parecer tolice. Ao morrer ela, na verdade, renasceu e transcendeu, eternizando-se. Ela amou e amou intensamente, o amor em sua essência é puro e genuíno, um tema universal. Às vezes, ao renunciar a nós mesmos é que vamos de encontro a nós mesmos. Não podemos também deixar de lado o simbolismo do mar. O mar é água, pode ser calmo e ao mesmo tempo turbulento; a água é um fio condutor, símbolo da transformação, purificação, sendo utilizada no batismo, por exemplo. A água também pode representar o materno. A Pequena Sereia nasceu no mar e para lá retornou. Seu retorno não foi da mesma maneira, ela voltou diferente, transformada, integrando-se e aceitando a si mesma.

Aqui um espaço livre para escrever o que desejar sobre os contos de fadas e a psicologia junguiana.

R: Gostaria de deixar aqui o convite para quem queira se aventurar pelas mais variadas florestas dos contos de fadas. Essas histórias além de encantadoras são preciosas e nos auxiliam no (re)encontro com nós mesmos, utilizando uma frase junguiana, eles nos auxiliam “a tornarmo-nos de fato quem nós somos”. Os contos são magia, são emoção, são paixão, são vida, são pulsar, são fluir, são transbordar. O mais belo dessas histórias e do olhar junguiano para elas é que cada pessoa irá simbolizá-las a sua maneira. Que tal agora, você, caro leitor, pensar em como simbolizaria o conto A Pequena Sereia? O que ele lhe diz? Que emoção desperta?

Ju, o Caderno da Gabi agradece imensamente a sua linda contribuição!

Ah, gente, depois dessa rica explanação da Ju, senti um maior entendimento e me percebi mais próxima dos contos de fadas! Espero que vocês também tenham gostado, e fica o convite para fazerem as suas próprias observações!
Com carinho,
Gabi

Gabriele Ribas é escritora, psicoterapeuta, arteterapeuta e coach.
Especialista em Psicologia Transpessoal. Mestre em saúde.
Facilitadora de Escrita Terapêutica.
Contato: cadernodagabi@gmail.com

Juliana Ruda é Psicóloga de Orientação Junguiana (CRP -08/18575)
Especialização em Psicologia Analítica. Atua em Curitiba-PR.
É facilitadora dos Grupos de Estudos: Poética da Alma e O Despertar dos Contos de Fadas, ambos com enfoque na Psicologia Junguiana.
Além de eterna aventureira dos Contos de Fadas!
E-mail: psicologa.julianaruda@gmail.com
Fanpage Profissional: https://www.facebook.com/PsicologaJulianaRuda/
Colunista da Coluna “Um Conto de Cada Vez”: http://opsicologoonline.com.br/category/colunas/um-conto-de-cada-vez-por-juliana-ruda/

Páginas:«12345»