Navegando "Metáforas"

Escrevendo emoções…

Escreva quando estiver triste,

E parecer que tiraram o chão dos seus pés.

Na linha da frase, recupere a sua base.

Encontre o seu caminho, acolha-se, no ninho.

Traduza as lágrimas em palavras.

Enxugue suas lástimas.

Respire fundo. E vire a página.

Escreva quando estiver com raiva.

E a energia ardente circular por todo corpo.

Transforme esta força, em criatividade.

Escreva e reescreva.

Rabisque, apague, amasse.

Expresse a sua dor, aliviando-a.

Respire fundo. E vire a página.

Escreva quando estiver com medo.

E até quando a sua sombra te assustar.

Sozinho, no escuro, acenda a luz interior...

Abrace a sua sombra, com amor.

Deixe a escrita te conduzir.

Caminhe pelas letras que clareiam seus passos.

Releia sua trajetória. Agradeça cada aprendizado.

Respire fundo. E vire a página.

Escreva quando estiver alegre.

Comemore, celebre e agradeça.

Escrever intensifica e prolonga a felicidade.

Promove emoções positivas dos pés a cabeça.

Conte as suas infinitas bênçãos.

Sorria nas páginas de alegria.

Reconheça este nobre momento.

Respire fundo, e vire a página.

Com reverência e gratidão...

Escreva cada emoção.

Se o sentimento é bom ou ruim

Quem sabe é o coração.

O papel tudo recebe, aceita e acolhe.

Não julga não interrompe nem esnoba.

O lápis te instrumenta e te dá asas para voar.

Entre linhas, entrelinhas, até, se encontrar!

Escreve, escreve, e vira a página.

Há sempre algo novo para contar.

E o seu caderno – confidente.

Sempre irá te escutar!

Essa não é uma poesia sobre emoções.

É sobre virar a página...

Tudo passa.

Tristeza, medo, raiva, alegria...

Sentimentos que vem e que vão.

Viva cada momento, intensamente...

Respire fundo, e vire a página.

Tudo passa, mas nada é em vão.

--- Quando olhar para trás, verás que escreveu uma bela história, colorida de emoções... Momentos alegres ou tristes te fizeram ser quem és. 

Virar a página é celebrar a bênção do novo dia.

Virar a página é recomeçar.

Virar a página é reinventar-se.

É amar-se, é amar.

 

Qual a página da sua vida que você precisa virar para permitir-se viver uma nova história?

Muitas vezes, estamos relendo a mesma folha, e parece que andamos em círculo, sem sair do lugar.

Fica o convite para virar a página, e descobrir que o NOVO, já está a te esperar!

Chega de repetir dores do passado... Vamos criar felicidade?

Vire a página, e busque ser feliz.

Escreva a sua própria história...

O que me diz?

Com carinho,

Gabi

Atena e o tatu

Como você se protege? Estabelecendo limites.

A armadura de Atena e o tatu

 

No mito grego de Atena, a donzela nasce da cabeça de Zeus, emergindo num grito de guerra, vestida na sua protegida armadura. A deusa guerreira é considerada a personificação da sabedoria e da civilização.  Companheira dos heróis, grande estrategista e conhecida pelas suas qualidades como a inteligência, a força, o poder e a comunicação.

O arquétipo de Atena inspira na mulher e no homem, o poder pessoal, o gosto pelos estudos e pelo trabalho, a razão, a capacidade de organização e planejamento, a coragem e a iniciativa.

A armadura de Atena é o símbolo da sua autodefesa e autoproteção. Entretanto, por trás da sua impetuosa armadura, muitas vezes há uma vulnerável jovem encoberta pela aparente força exterior. Essa metáfora nos remete ao reconhecimento de que apesar de uma imagem guerreira e muitas realizações exteriores, muitas pessoas guardam em si inseguranças, ansiedades e sentimentos dolorosos.

Certamente, um escudo pode ser útil para nos sentirmos fortes e protegidos diante das adversidades da vida. A “armadura” como uma proteção e clareza definida de limites é útil e valiosa.  Por outro lado, identificar-se em demasia com a armadura pode se transformar numa prisão. A mesma firmeza que defende do perigo, pode aprisionar nossa essência. E de tanta defesa, física, intelectual e emocional, perder a nossa suave vulnerabilidade humana, exposta a toda sorte de acontecimentos.

Contudo, a sabedoria consciente de Atena nos ensina o uso apropriado da força defensiva. Invoca o poder de combater a opressão e de se defender de qualquer possibilidade de ser prejudicado. Atena sempre está pronta para a batalha, mas a verdade é que a grande batalha não está fora, mas sim dentro de cada um de nós. Na nossa complexidade humana, podemos ser heróis e vilões de nós mesmos.

Assinalo, que quando me refiro à proteção e à defesa, trago uma visão holística, que pode ter relação a nível físico, emocional, psicológico, energético, espiritual ou social.

Como por exemplo, uma pessoa pode chegar num ambiente hostil e sentir-se “energeticamente” sugada, para proteger-se neste nível, pode visualizar-se numa bolha de luz, que seria a sua ‘armadura imaginativa e criativa’ que traria mais força e firmeza interior para enfrentar o ambiente.

Na mitologia grega, Atena é simbolizada pela serpente, que é considerada uma imagem de proteção e renascimento, desde a antiguidade. Em algumas pinturas, Atena aparece com uma coruja em seu ombro, que é seu principal símbolo de sabedoria.

Essa questão de proteção, defesa e limites, lembra-me do TATU, que tal qual Atena, carrega sempre a sua armadura consigo. Sua carapaça protetora é parte do seu ser e assinala os seus limites definidos. Dar limites, por exemplo, é ser capaz de dizer não. O tatu sabe bem defender o seu próprio espaço vital, e você?

Perguntas Poderosas… Para reflexão e autoconhecimento…

Como anda a sua armadura? Está sempre aberto, disponível, tolerante e vulnerável e tem dificuldades em dar limites? Ou tem uma couraça impenetrável que te aprisiona e te afasta de desfrutar as incertezas da vida?

E que tal o caminho do meio? Saber proteger-se, sem perder a sua vulnerabilidade humana?

Quando você se sente mais poderoso? Quando você se sente menos poderoso? Como você usa o seu poder pessoal?

Quando criança, como você reagia quando era ameaçado ou desafiado? Como você reage hoje? Houve alguma mudança?

Do que você se protege hoje? O que você faz para se defender e dar limites?

Que o escudo de Atena nos proteja sempre!

Com carinho,

Gabi

A borboleta, o caderno e o processo criativo

 

Com muita alegria, apresento para você a logo do Caderno da Gabi: a Borboleta-Caderno.

A BORBOLETA tem amplos significados. Representa a alma, a psique, a liberdade, o renascimento, a autotransformação e o processo criativo. Trago aqui uma das reflexões que o simbolismo da borboleta pode nos inspirar:

A borboleta nos ensina a arte da transformação.

Tudo começa no estágio ovo, que convida a tomar consciência das nossas potencialidades. O estágio larva traz a nutrição e alimento para as nossas ideias. O casulo é o movimento de ir para dentro, e neste movimento introspectivo, desenvolver certa ideia, projeto ou qualidade. O nascimento é a realização da potencialidade, a manifestação da sua intenção. A borboleta voando livremente representa compartilhar a nossa criação com o mundo.

A vida está sempre em processo de transformação. Que estágio deste ciclo você se encontra neste momento?

  1. Estágio Ovo: Está repleto de ideias, mas ainda não lançou no mundo?
  2. Estágio da Larva: Está se alimentando de conhecimentos, reunindo informações para tomar uma decisão?
  3. Estágio Casulo: Está num momento introspectivo?
  4. Estágio do Nascimento: Está compartilhando com os outros a sua criação?

O simbolismo da borboleta ativa a nossa clareza mental para perceber onde estamos no caminho de vida, e aonde queremos chegar.

Relacionando com o processo criativo da escrita, podemos dizer que o estágio ovo representa nossa vontade de escrever, nossa intenção criativa. No estágio larva, buscamos alimentar o conhecimento através de leituras, conhecimentos, experiências.

O casulo é o momento da incubação, representa nossos momentos de descanso, lazer e sono.

O nascimento é a manifestação da nossa criatividade através daquilo que escrevemos; nossa expressão autêntica e única.

Dessa maneira, relacionando as etapas do processo criativo da escrita com a metáfora da transformação da borboleta, temos as seguintes inspirações:

  1. Preparação (estágio ovo e lagarta): Leia, estude, experimente pesquise sobre o assunto que você gosta.
  2. Incubação (casulo): Tenha momentos de pausa e silêncio. Relaxe, medite, sonhe.
  3. Insight (nascimento): Escreva livremente, expresse a sua criatividade autêntica.
  4. Manifestação: Compartilhe com o mundo!!

A borboleta representa o processo criativo, este é um dos motivos de eu ter associado ao caderno.

O caderno também representa este processo criativo de autotransformação.

Que o Caderno da Gabi possa voar e inspirar muitos corações  com a escrita terapêutica e o autoconhecimento criativo!!!

Com amor, Gabi

O anel de diamante

Você já perdeu algo precioso e depois reencontrou? Você acredita que tudo na vida tem uma razão? Confia que o que é seu está guardado? Então este conto é para você, que tem esperança, que confia na vida, que espera sempre o melhor… Escrevi este conto inspirada em fatos reais, que aconteceram com a mãe de uma grande amiga…

Leia mais »